top of page

Você é o que você come. E ai quem é você?



Faz tempo que disse que meu próximo post seria sobre alimentação. Depois disso veio a pandemia e meu cronograma embolou geral. Desculpem-me, mas antes tarde do que nunca, cá estou.

Faz tempo que pesquisadores de todo o mundo tem estudado amplamente sobre o que a sociedade moderna vem consumindo. As pessoas começaram a questionar o que comem e, cada vez mais, nos surpreendemos com a quantidade de química que silenciosamente ingerimos em doses diárias.

A rotina corrida da vida deixa pouco tempo para as refeições. As pessoas simplesmente comem, não se alimentam. Segundo o Dicionário Aurélio, comer significa ingerir qualquer coisa, matar a fome. Já alimentar significa nutrir, comer algo saudável para o organismo. Gosto de uma afirmação da pesquisadora e escritora Conceição Trucon (2014, p34) que diz “[...] quando a alimentação está alinhada as necessidades de construção da energia e da harmonia metabólica, temos como consequência a saúde em todos os níveis existenciais: física, emocional, mental e espiritual”. E não é a toa que uma das frases de impacto que usamos aqui no Quintal é “Você é o que você come”!

A alimentação para ser considerada saudável deve ser nutritiva, rica em alimentos celulares, de fácil digestão (sem toxinas, aditivos, refinados), desintoxicante (ajudando o organismo a eliminar excretos) e prazerosa. Entretanto, nas grandes cidades o nutritivo cede lugar ao prático. Sem tempo de cozinhar, as refeições são realizadas rapidamente através do consumo de lanches ou congelados. Nos tempos atuais a comida caseira perdeu espaço para o fast food, ou easy food, ou seria pro i-food? Tudo junto e misturado, né, pessoal?

Ok, você cozinha em casa, ótimo! Entretanto, mesmo a comida caseira, com a utilização de hortaliças compradas em grandes centros de compras possuem valor nutritivo abalado por terem sido cultivadas com agrotóxicos. Segundo Trucon, o relatório do Environmental Working Group informa que quando uma criança completa um ano de idade, já recebeu a dose máxima de agrotóxicos que seria permitida para a vida inteira. Já um estudo de 2003 desenvolvido pela Universidade de Washington, revelou que crianças que comiam vegetais e frutas orgânicas apresentavam concentrações de pesticidas seis vezes menores que as que consumiam produtos de cultura intensiva.

A autora citada também relata que uma equipe da Universidade de Emory, nos Estados Unidos, analisou amostras de urina de crianças entre três e onze anos alimentadas com produtos orgânicos e confirmou que os níveis de metabólitos de Malathion[1] e Clorpirifós[2], dois pesticidas de uso tradicional nas culturas convencionais eram praticamente nulos. Entretanto, depois que elas voltaram a ingerir alimentos não orgânicos, os metabólitos rapidamente aumentaram.


[1] Malathion (C10H19O6PS) é um inseticida utilizado para matar insetos em explorações agrícolas e em jardins, também usado para tratar piolhos na cabeça de seres humanos e para tratar pulgas em animais domésticos. Usa-se também para matar mosquitos e a mosca da fruta em extensas áreas ao ar livre.
[2] Clorpirifós (C9H11Cl3NO3PS) é um insecticida que inibe a a transmissão dos receptores do sistema nervoso. É utilizado para controlar vários tipos de insetos e pragas, sendo moderadamente tóxico. Já foi atribuído ao uso deste químico, efeitos neurológicos, atrasos e problemas no desenvolvimento de crianças, assim com problemas no sistema auto-imune.

As técnicas modernas de cultivo, que apostam em produtividade e ganhos em massa, adotam a utilização de químicos para matar e repelir pragas e usam nutrientes para acelerar o crescimento. Já a produção orgânica produz alimentos com mais minerais, vitaminas, limpos de químicos e nutricionalmente adequados. Bóra plantar pra colher amigos! E vou dizer uma coisa, é uma cachaça, kkk! Começa com um vaso, dois, e quando você se dá conta está com jardineiras, sementeiras, canteiros espalhados produzindo alimentos. Plantar e coçar, é só começar!

Pra finalizar não posso deixar de falar na polêmica sobre o Guia Alimentar para a População Brasileira, do Ministério da Saúde, referência nacional e internacional para a promoção da saúde e indicador de políticas públicas. Bom, nossa Ministra da Agricultura Pecuária e Abastecimento enviou um ofício ao Ministro da Saúde solicitando a urgente revisão deste guia SEN-SA-CI-O-NAL! Vou deixar o pdf para download aqui.

O ofício é acompanhado de uma nota técnica que tenta negar as evidências científicas que atestam os malefícios à saúde provocados pelos produtos ultraprocessados, contrariando um conjunto consistente de inúmeras evidências científicas produzidas por pesquisadores de instituições amplamente respeitadas, não só no Brasil mas em todo o mundo.

Infelizmente, o Guia Alimentar do Brasil vêm sendo alvo de críticas veladas por parte da indústria de alimentos no mundo todo desde que foi publicado. O motivo é a sua posição "radical" na restrição do consumo de alimentos ultraprocessados.

Publicado em 2014, é fruto da cooperação técnica entre a Coordenação Geral de Alimentação e Nutrição, do Ministério da Saúde, do Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde Pública da Universidade de São Paulo (NUPENS-USP) e da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). O guia chegou à versão final após diversas reuniões com vários setores da sociedade civil, acadêmicos e profissionais de diferentes áreas e ainda uma consulta pública. Seu embasamento científico e abordagem simples e prática tem acumulado reconhecimento nacional e internacional e tem inspirado a elaboração de Guias Alimentares em outros países, como o Canadá, por exemplo.

Pra quê mexer? Pra dizer que alimento ultraprocessado não é ultraprocessado, é processadinho e não faz tão mal? Um trecho da nota técnica cita que "o Guia induz a população brasileira a uma limitação da autonomia das escolhas alimentares" e "não alerta que uma alimentação que utiliza 'sempre alimentos in natura ou minimamente processados e preparações culinárias é perigosa". Realmente não consigo entender a segunda frase... eles dizem que os alimentos in natura podem ser perigosos? É sério isso? Sim, triste mas está lá no ofício.

Carlos Monteiro, coordenador do NUPENS comentou em reportagem para o Globo Rural que “há uma questão meio corporativa por trás disso" e afirmou que "a única categoria no Brasil de técnicos que se opõe ao Guia Alimentar é a dos engenheiros de alimentos, porque o mercado de trabalho deles é essa indústria de alimentos ultraprocessados". Essas empresas financiam toda a pesquisa que eles fazem. Então, eles têm uma dependência umbilical dessa indústria”, nas palavras de Monteiro.

Gente, as vezes um ultra processadinho até rola, quem nunca? Confesso que amo a batata Lays Sour Cream. É uma bomba tóxica? É. Eu me alimento super bem, minhas refeições são coloridas e o mais in natura possível, então as vezes, tudo bem. Só que eu sei que faz mal pra mim, e foi a minha escolha, não estou sendo enganada, estou me drogando com consciência, kkkk! Agora, não venham nos enganar e tentar mudar a classificação dos alimentos in natura, processados e ultraprocessados, ok?

A alimentação é um direito reconhecido em nossa Constituição Federal (artigo 6º) e nossos governantes devem zelar por ela, pois ela zela por nós. Vamos ficar de olho amigos, este guia é muito bacana e embasa práticas da merenda escolar, refeitórios empresariais entre outros. Vamos fazer valer nossos direitos e vamos plantar, porque “quem planta os males espanta”, e tem muita coisa ruim pra espantar, né?


guia_alimentar_populacao_brasileira_2ed
Fazer download de • 4.40MB

P.S. Este gurizinho da foto é meu primo-sobrinho, amado, queridão e baita figura! Ele está na horta da avó, que começou a hortar na pandemia, com ajuda do Quintal Urbano! Saber que ele não teria contato com uma horta se não fosse a iniciativa da vovó me dá uma sensação maravilhosa, meus olhos lacrimejam... Com certeza ajudamos muita gente a se conectar com a natureza e ter uma alimentação mais natural, nutritiva e saborosa. Sigamos em frente e avante!

Abraços com aroma de lavanda!


Márcia carneiro Luiz Designer de Produto, Administradora de Empresas, Mestre em Design, CEO Quintal Urbano

131 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page